Como Curar a Fimose – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos


Falar sobre doenças ou outros problemas nas áreas genitais ainda são um tabu pra muita gente. No entanto, a prática precisa se tornar mais comum, especialmente entre os homens. Conversar sobre a fimose é um exemplo disso.

Condição que afeta grande parte da população masculina a partir dos 4 anos, a fimose pode ocorrer naturalmente ou devido a outros fatores.

Por se tratar de uma condição que afeta a saúde masculina, a fimose também tem suas causas, seus sintomas, mas possui tratamento e resolução. Não pense que tudo isso também é um bicho de sete cabeças, a fimose tem solução. Tendo conhecimento do que ela é e como tratá-la, fica mais fácil de resolvê-la e se sentir mais confortável.

O que é a fimose?

Fimose é a incapacidade que o homem tem de expor a glande (a parte terminal do pênis) e o prepúcio não consegue ser esticado e puxado para trás de maneira segura, causando alguma dor e desconforto na região.

Com essa dificuldade de retração do prepúcio, pois a pele não possui uma abertura suficiente a fim de recobrir a glande, o homem sente dificuldade em urinar, pode sofrer dores durante as relações sexuais e até desenvolver outros estágios de fimose que podem prejudicar a sua saúde genital.

Se você já é adulto, não pense que esse problema só ocorre com adultos. Até crianças e bebés sofrem com essa condição. Já quando são recém-nascidas, as crianças já nascem com essa condição, porém o efeito desaparece normalmente na grande maioria dos casos. Contudo, há alguns casos em que a fimose persiste na criança até a fase adulta, se a pessoa não procurar um tratamento adequado. Para se ter uma ideia, 96% da população masculina desenvolvem fimose na infância, que normalmente desaparece na juventude.

Quais os tipos de fimose?

Existem vários tipos e uma grande parte dos médicos analisa duas situações dessa condição:

•    Fimose Patológica: essa fimose ocorre por conta da falta de higiene ou por alguma outra condição secundária que desencadeia o problema;

•    Fimose Fisiológica: é a mais comum. Talvez até você tenha tido essa. É a que surge desde o nascimento, e ocorre devido às camadas que envolvem a glande que são mais aderentes e sensíveis, ocasionando uma retração do prepúcio. Porém, a fimose fisiológica é a que se resolve mais comumente com a idade. De acordo com o metabolismo do corpo masculino, a região se desenvolve e a fimose vai se tornando inexistente devido a retrações naturais do prepúcio, momentos de urinar e até durante as ereções.

Qual a causa da fimose?

Há algumas situações que fazem com que a fimose ocorra no homem. Primeiro de tudo, a fimose é congênita, ou seja, é algo natural e próprio do corpo. Por ser algo que ocorre em crianças e adultos, a fimose pode ter inúmeras causas.

Se olharmos para o lado infantil, a fimose pode ocorrer por falta de higiene e por formação de anéis de tecido endurecidos que se formam na região do prepúcio que fica retrátil.

Já para o lado adulto, podem ser citados como causas da fimose a perda de elasticidade da pele que envolve a glande que ocorre devido a idade avançada, efeitos de doenças crônicas como a diabetes, balanites (inflamações da glande ou do prepúcio) e também por falta de higiene.

Sintomas da fimose, quais são?

Por ser uma característica muito evidente, os sintomas da fimose também são facilmente reconhecidos: dores ao urinar, tensão e dificuldade no momento da ereção, resíduos esbranquiçados na área da glande devido à falta de uma higiene melhor, pele genital irritada, cicatrizações e outros sintomas.

Em alguns casos, ocorrem sangramentos, infecções urinárias, dor durante a relação sexual e se houver inflamações na área, é possível ter a presença de pus.

Tratamento para curar a fimose

De forma direta, parece que é a fimose é um problema horrível e que não tem solução. Mas não se preocupe, ela tem sim! De modo simples, podemos dividir os tratamentos em dois aspectos dependendo do grau de fimose que o homem possua.

O tratamento moderado, mesmo sendo longo, é o mais simples. O médico indica o uso de pomadas à base de corticóides que funcionam como uma proteção. Havendo dores, essas pomadas também são anti-inflamatórias, antibióticas, previnem a área e auxiliam a pele deslizar mais suavemente sobre a glande. O tratamento dura, em média, de 4 a 8 semanas;

Já o tratamento acentuado é baseado em cirurgia, a corticoterapia (a famosa circuncisão), no qual há o corte do prepúcio que recobre a glande. Há também a prepucioplastia, sendo necessário retirar todo o prepúcio, sendo usada em casos mais específicos. Elas são rápidas, de 30 a 40 minutos e recomenda-se, se o paciente for adulto, não ter relações sexuais por 1 mês e realizar uma higiene adequada no local.

Em todos os casos, é importante ter o acompanhamento constante do urologista e seguir as suas instruções corretamente.