Como Curar as Olheiras Rapidamente – O que é, Causas e Tratamentos


Quem tem olheiras sabe o quanto o inchaço e o escurecimento ao redor dos olhos causa incomodo, principalmente quando se está na frente do espelho ou revendo uma foto recente.

Isso porque a pigmentação da região tende a atribuir um aspecto de cansaço e envelhecimento ao rosto, ainda mais se associada ao aparecimento de bolsas ou sulcos profundos.

As poucas horas de sono e o estresse da vida moderna são apontadas como as causas mais comuns para o aparecimento das olheiras. Porém, há outros fatores, como hereditariedade, problemas de circulação, idade e alergias que também provocam as manchas.

Saber exatamente o motivo é muito importante para quem busca um tratamento eficiente, pois há diferentes formas de resolver o problema, que vão desde a mudança de hábitos até tratamentos estéticos e cirúrgicos.

Veja também: Como deixar de ter olheiras

Como identificar os sintomas das olheiras?

É muito fácil identificar as olheiras, pois seus sintomas são visíveis. Elas são caracterizadas pelo escurecimento da pele abaixo dos olhos, que assume tonalidades tendendo para o azul, verde, marrom ou vermelho. A pigmentação caracteriza diferentes causas das olheiras e pode também estar associada a outras alterações, como o aparecimento de sulcos profundos na região, a formação de bolsas, o inchaço, a flacidez e as rugas.

O que causa as olheiras?

Quando uma pessoa tem olheiras marcadas, normalmente os amigos e familiares perguntam se ela está cansada ou se não tem dormido bem. Afinal, uma das causas mais comuns do escurecimento da região abaixo dos olhos é justamente a falta de sono, o excesso de trabalho e o estresse – tão comuns na vida moderna.

Isso ocorre por duas razões: Em primeiro lugar, a espessura da pele abaixo dos olhos é de apenas 0,5 milímetros, muito inferior aos cerca de 2 milímetros que predominam no restante do corpo. Portanto, é uma pele bastante fina e os vasos subcutâneos tornam-se mais visíveis dependendo da luminosidade. Em segundo lugar, o corpo de uma pessoa cansada que precisa executar diversas atividades apresenta aumento do fluxo sanguíneo, o que garante energia suficiente para executar as tarefas necessárias. Porém, também provoca vasodilatação, e como a pele é fina e bastante vascularizada, muda rapidamente de cor.

Este processo de vasodilatação também ocorre devido ao excesso de cafeína, ingestão de álcool, tabagismo e em mulheres com alteração hormonal, como na gravidez ou períodos de tensão pré-menstrual (TPM). Mas essa não é a única, tampouco a principal causa do aparecimento das olheiras. Fatores hereditários e biológicos são tão importante para explicar o problema quanto os hábitos de vida.

É comum que pais com olheiras acabem transferindo suas características genéticas aos filhos, como no caso de pessoas que apresentam hiperpigmentação da pele palpebral, mesmo quando descansadas e com boas noites de sono. Isso tende a se manifestar principalmente em peles morenas e ocorre devido ao acúmulo de melanina. Nestes casos, as olheiras tendem à coloração marrom. Já em casos de olheiras resultante de uma maior quantidade de vasos sanguíneos na região, também por questão de hereditariedade, há uma tendência para tons avermelhados, arroxeados ou azulados.

Dermatologistas apontam ainda que fatores estruturais podem ressaltar as olheiras, como a falta de tecido na região aliada a uma profunda cavidade lacrimal sob os olhos. Isso provoca a falta de volume na área e resulta em sulcos mais marcados, que acentuam as olheiras. Além disso, com o envelhecimento da pele tende a perder elasticidade e o tônus, salientando ainda mais este tipo de olheira.

Alergias de pele ou respiratórias, como rinite, também podem evidenciar as olheiras, principalmente quando a coceira resulta em rompimento de vasos sanguíneos. Por fim, algumas pessoas desenvolvem bolsas sob os olhos, que refletem principalmente o acumulo de líquidos na região por causa de características genéticas, alergias ou má alimentação.

Tratamentos para as olheiras

As clínicas dermatológicas disponibilizam uma ampla variedade de tratamentos para quem sofre com o escurecimento da região abaixo dos olhos. Mas enquanto alguns casos podem ser resolvidos até mesmo com tratamentos caseiros, outras necessitam de equipamentos modernos e por vezes de intervenção cirúrgica.

Como as olheiras derivadas do cansaço e da falta de sono refletem a dilatação dos vasos sanguíneos, a melhor forma de diminuir este aspecto é resfriar a região. Isso pode ser feito com compressas de chá frio de camomila, que tem efeito calmante, com rodelas de pepino, com função adstringente, ou mesmo com compressas de gelo.

Já em casos de hiperpigmentação por acúmulo de melanina, o tratamento deve priorizar o clareamento da pele. Isso pode ser feito com o peeling químico ou com o uso de aparelhos de laser. Outra opção, que atenua as olheiras de todas as colorações (derivadas de alteração sanguínea ou na melanina) é o tratamento de luz intensa pulsada (TIP), que apesar de utilizar a luz para tratar as olheiras, é um procedimento diferente do laser.

Quando as olheiras são estruturais, o tratamento mais aconselhado é o preenchimento que utiliza o ácido hialurônico e deve ser feito por um médico dermatologista. Se a pele da região também estiver com flacidez, pode-se associar o ácido ao uso de ulthera, por exemplo, para estimular a produção de colágeno na pele.

Para quadros de rinite alérgica e outras alergias, que podem piorar o aspecto das olheiras, é importante buscar tratamento com um médico alergista ou com especialistas em acupuntura, que tem apresentado resultados satisfatórios para quem sofre com rinite e sinusite. Já olheiras associadas a bolsas na região abaixo dos olhos podem ser atenuadas por uma alimentação saudável de baixo teor de sal e por drenagem linfática. Porém, nestes casos a cirurgia é o principal caminho para acabar com o problema.

Como prevenir o aparecimento de olheiras?

A prevenção está diretamente associada à qualidade de vida. Portanto, a melhor forma de prevenir ou de atenuar tendências hereditárias é buscar uma alimentação balanceada com pouco sal, consumir bebidas alcoólicas casualmente (nunca em excesso), evitar o tabagismo e priorizar 8 horas de sono de qualidade.

A outra forma de prevenir o escurecimento da região periorbital e a flacidez que deixa a pele da região mais fina (e consequentemente ressalta o aparecimento dos vasos sanguíneos) é por meio de cosméticos adequados, como cremes e séruns para a região dos olhos e máscaras específicas, como as que contêm vitamina C ou outros agentes que melhoram a vasodilatação.