Transtorno do pânico — Sintomas, Causas e Tratamento


O transtorno do pânico vem sem aviso. Pega as pessoas de surpresa. Geralmente, começa com aumento da frequência cardíaca. A pessoa não tem controle sobre a situação. O ambiente, que ainda era claro tornou-se “fora de foco”.

Algumas pessoas tentam freneticamente controlar a situação. Outros, por outro lado, caem num estado de desespero, levando a casos de depressão.

O que é um transtorno de pânico?

Devido à alta atividade do sistema circulatório, existe uma tontura que geralmente é adicionada após alguns momentos, o que só agrava a ansiedade.

O sentimento de morte para quem sofre deste mau torna-se a ideia central. Alguns minutos depois todos os sentimentos retornam a um nível normal. O circuito cerebral acalma-se. Corpo e mente estão esgotados, mas voltam a funcionar normalmente. Parece inexplicável o que aconteceu.

O que acontece agora?

À medida que a situação ocorre e logo depois o corpo se acalma e a pressão foi aliviada as pessoas passam a pensar constantemente sobre o porquê e o porquê?

As pessoas passam a ter medo do desconhecido. O ataque de pânico, geralmente não leva muito tempo e não causa sérios danos ao corpo. O medo disso é que pode desencadear problemas de saúde e mental.

É particularmente perigoso quando a pessoa muda de comportamento evitando todas as situações ou lugares que provocaram um ataque de pânico.

Muitos evitam lugares públicos por pensarem que representam perigo a sua vida. Na verdade, o isolamento resulta em novos medos.

Outro caminho crítico é o autotratamento com guloseimas. Isso também traz apenas uma aparente, alívio de curto-prazo.

Como faço para encontrar ajuda?

Uma vez que você está preso neste medo, não é possível ter controle sobre si mesmo.

Em primeiro lugar, você deve estar ciente de que o medo e os ataques de pânico estão relacionados. O primeiro passo deve ser sempre procurar um médico.

Existem muitas opções de tratamento hoje em dia. O médico examinará a terapia com a qual a doença deve ser tratada.

Existem diferentes métodos. Além dos comprimidos, os chamados psicofármacos. Existem também procedimentos de psicoterapia reconhecidos. Os grupos de auto-ajuda generalizados, cujos endereços estão disponíveis para o médico, também são de grande ajuda.

O mais importante é o reconhecimento e a aceitação do problema. Você tem que está pronto para aceitar seu transtorno do pânico. Você tem que falar abertamente sobre isso, procurar saber casos semelhantes ao seu e pedir ajuda espontânea.

Existem alternativas como o chá erva de São João que tem um efeito calmante. Se isto não resolve, procure imediatamente ajuda médica.

Quanto tempo dura a cura?

Às vezes, durante toda a vida. Mas ao longo do tempo, aprende-se a aceitar e controlar esta doença como um companheiro constante. Apesar de tudo, você pode levar uma vida normal de novo.

Como é definido um transtorno de pânico?

Um transtorno de pânico é caracterizado por ataques de repetidos (pelo menos uma vez por mês) e o medo resultante de recorrer a um ataque ou a uma doença grave (por exemplo, enfarto do miocárdio ou embolia pulmonar) é que desencadeia os sintomas.

Algumas pessoas confundem o transtorno de pânico com agorafobia. A agorafobia é uma doença mental que se caracteriza pelo medo de lugares públicos, pessoas ou receio de viajar sozinho ou para lugar distante.

Estas são situações em que voar de avião se torna complicado, e nenhuma ajuda pode ser encontrada quando isto acontece.

Veja também: Como deixar de ter medo de viajar de avião

Ao menos que tenha medicação a mão. Os ataques de pânico frequentemente também ocorrem no contexto de distúrbios físicos, como arritmias cardíacas e disfunção paratireoide, ou outras doenças mentais, como depressão ou transtorno obsessivo-compulsivo.

Se os ataques de pânico ocorrerem no decurso dessas doenças, o médico ou terapeuta não diagnostica o transtorno. Eles são então considerados como um sintoma de doença básica.

Transtorno de pânico é comum?

Os ataques de pânico são relativamente frequentes. De acordo com estudos médicos até 22% das pessoas sofrem pelo menos uma vez nas suas vidas. Um ataque não causa um distúrbio de pânico. A probabilidade de transtorno de pânico ao longo da vida é de 5,5% para os homens e de 2,2% para as mulheres.

Normalmente, um transtorno de pânico se desenvolve em torno dos 20 anos de idade. Se uma pessoa sofre um transtorno de pânico, muitas vezes ele não é o único na família. O transtorno de pânico ocorre numa mesma família. Esta doença pode ser herdada de forma genética e por certas condições de vida.

O importante é que a pessoa que esta acometida da Síndrome do Pânico reconheça que precisa de ajuda e imediatamente procurar um médico especialista nesta área. Desta forma a pessoa enfrentara o problema com mais segurança e reagira ao tratamento consciente e segura.

A melhor cura é o tratamento médico.